5 boas razões para a total abstinência do álcool

Diferente do que advogam os defensores do uso moderado das bebidas alcoólicas, nem sempre o vinho mencionado na Bíblia era embriagante; por exemplo, Isaías chama de vinho o cacho de uvas ainda na videira, (Is 65.8 - ver também estudo O Cristão e as bebidas alcoólicas).

Poderíamos citar inúmeros textos e refutar os mais variados argumentos dos defensores do uso supostamente moderado do álcool, todavia vou me ater à Provérbios 23, que nos dá pelo menos 5 boas razões para a total abstinência das bebidas alcoólicas:

1ª Seu efeito é mortal (v32) -“morderá como a cobra”

O escritor, empregou a figura de uma serpente objetivando mostrar o grau de periculosidade presente nas bebidas alcoólicas. É interessante notar, que ele não partiu de uma hipótese, dizendo "poderá morder como uma cobra", antes, ele baseou seu argumento numa completa certeza "morderá". Em outras palavras Salomão estava dizendo: É impossível fazer uso das bebidas embriagantes sem que ela lhe traga prejuízos mortais semelhantes ao da picada de uma cobra!

2ª Perverte o comportamento (v33) -“o teu coração falará perversidades”

Mais uma vez Salomão não apresenta como argumento uma possibilidade, mas uma inquestionável probabilidade. Ele acentuou o poder maligno de perverter as faculdades mentais do indivíduo que faz uso das bebidas alcoólicas, pois para falar perversidades é necessário que o coração também esteja pervertido (Mt 12.34), e esta perversão ocorre por intermédio da bebida, como afirmou o escritor.

3ª Suplanta o senso do perigo (v 34) -“se deita no meio do mar... no alto do mastro”

Há quem acredite que o álcool proporciona coragem, ousadia, porem na verdade, ele tira todo o senso de perigo, e a isso o melhor nome que se pode dar é "imprudência"! Uma pessoa em plena e sã consciência, jamais subiria num mastro para tirar um cochilo, contudo o escritor afirma que uma pessoa alcoolizada é plenamente capaz de fazer isso em seu estado de embriaguez.

4ª Suplanta o sentido (v35) -“espancaram-me, e não doeu; bateram-me, e não senti”

Normalmente quem está embriagado perde a sensibilidade do seu próprio corpo. Salomão evoca esse fato, dizendo que uma pessoa alcoolizada tem seus membros como se tivessem anestesiados.

5ª Leva à escravidão (v35b) - “quando despertarei? Então tornarei a beber”.

Os defensores do uso "moderado" do álcool, ignoram que ele é uma droga psicotrópica, que causa dependência como outra qualquer. O que ocorre com as bebidas alcoólicas, é que elas foram declaradas lícitas pelo governo, gerando impostos para os cofres públicos. Contudo, há quem defenda a legalização da maconha, e pode ser que ela venha ser liberada no futuro, mas e ai, ela deixará de ser uma droga, extremamente nociva ao homem só porque foi legalizada pelas "autoridades" de nosso país?

Conclusão

Diante de tais verdades, não me parece nem um pouco razoável um cristão defender o uso do álcool, pois seus efeitos são contraditórios aos ensinos bíblicos para as nossas vidas, pois Cristo nos libertou para vivermos em plena e constante santificação (Jo 8.32, 1 Ts 5.23, Hb 12.14).